BLOG

sábado, 20 de outubro de 2012

A MODA DO BIGODINHO


Sim, você já sacou eles por aí. Estampando roupas, em acessórios, bijous...
E olha que bacana, a causa moustache é nobre. Pois é, a onda começou com o Movember, um evento anual que acontece sempre em novembro (daí Mo, de moustache, bigode em inglês + vember, de November, novembro) e que tem o objetivo de arrecadar fundos para a luta contra o câncer de próstata.
O movimento é o seguinte: durante todo o mês de novembro, o Movember pede aos homens de todo o mundo que deixem crescer o bigode para aumentar a sensibilização sobre sua saúde. O Movember começou na Austrália em 2003 e, desde então, o bigodinho tem se espalhado pelo mundo.

Infelizmente, nem sempre o recadinho de saúde do bigodinho é mostrado ou sacado de forma tão evidente (então, garota, faça a sua parte e espalhe o conceito sempre que puder).
E fora essa missão pró homens, já sabe, garota: se joga na tendência que te deixa descolada, moderninha e consciente – tudo em uma tacada só. Show me the bigodinho!


quarta-feira, 11 de julho de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 12/07/2012

A OUTRA PORTA.
Talvez isso já tenha acontecido com você, pois é uma cena muito comum em estacionamentos de shoppings e condomínios. 
 
Você chega para apanhar o carro, geralmente com pressa, mas outro veículo está estacionado bem ao lado do seu, impedindo você de abrir a porta e entrar no carro.

O que fazer, então? 
 
Xingar, chamar o irresponsável e dizer-lhe umas verdades, brigar com o porteiro, com o síndico, ou chutar os pneus do veículo infrator... 
 
Essas talvez sejam as atitudes mais comuns. Mas será que resolvem o problema? 
 
Ou será que acabam azedando ainda mais o seu dia e provocando um atraso maior aos seus compromissos? 
 
Embora para muitos de nós as reações violentas sejam as que brotam mais facilmente, é importante pensar em soluções, em vez de nos debater e piorar a situação. 
 
Indignados com o motorista descuidado que bloqueou a porta do nosso veículo, provocamos uma guerra de nervos. 
 
Mas uma guerra que acaba só com os nossos próprios nervos, pois o infrator talvez esteja dormindo, fazendo suas compras calmamente... 
 
Nesse caso, não seria melhor pensar um pouco e buscar uma solução para o problema? 
 
Quando desejamos solucionar o problema em vez de encontrar e punir o culpado, nós acharemos outra saída, ou melhor, outra entrada... 
 
Há uma porta do outro lado do veículo, a porta do passageiro. Que tal entrar por ela? Dá um pouco de trabalho, mas dá certo. 
 
Seria uma solução inteligente. Resolveríamos o problema e pouparíamos os nossos nervos. 
 
Figuradamente, em todas as situações da vida há sempre uma outra porta, uma outra janela, uma outra saída... 
 
Basta que desejemos encontrar soluções e não culpados. 
 
O que geralmente nos paralisa e nos embrutece diante de situações difíceis, é o orgulho. 
 
O orgulho é sempre um mau conselheiro, em todas as circunstâncias. 
 
O orgulho sempre sugere que isso não pode ficar assim, que é preciso dar uma lição no responsável pelo problema, que é preciso revidar, tomar satisfação, brigar. 
 
Já a sabedoria aconselha: saia dessa, busque a outra porta, não vale a pena declarar guerra, você também erra, e quando isso acontece você deseja o perdão e a indulgência. 
 
A sabedoria diz: vá em frente, não detenha o passo. A sua irritação não solucionará problema algum. Aja com inteligência, não reaja. A reação é própria dos irracionais. 
 
Optar entre os conselhos do orgulho ou os da sabedoria, cabe exclusivamente a você, e a ninguém mais. 
 
Assim, lembre-se sempre que tornar as coisas mais difíceis ou facilitá-las, é uma decisão sua. Só sua. 
 
E facilitar pode ser exatamente dirigir-se à outra porta, abri-la, entrar, dar partida e tocar em frente, sem irritação, nem aborrecimentos desnecessários. 
 
Pense nisso! 
 
Os rios, caudalosos ou não, diante dos obstáculos desviam seu curso, superam barreiras e seguem seu caminho, levando em seu leito inúmeros benefícios por onde passam. 
 
Você, mais do que os rios, traz em sua intimidade mil maneiras de contornar obstáculos e solucionar problemas, com sabedoria. 
 
Se a vida lhe impede de entrar por uma porta, abra outra. Contorne os obstáculos, vença os desafios. Você é capaz. 
 
Pense nisso!

terça-feira, 24 de abril de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 25.04.2012

JARDIM DA VIDA
A vida humana pode ser comparada a uma rosa no jardim do mundo. O bebê é o botão que desabrocha, delicadamente. 
Na medida em que vai se abrindo, vai descobrindo e se extasiando com o rocio do orvalho na madrugada de luz, o brilho do cristal ao toque do sol nas primeiras horas da manhã, o calor do astro rei na tarde quente. 
Quanto mais se abre para a vida, mais descobertas realiza. Corajosa, a criança não lê obstáculos nas linhas da vida. Tudo ela tenta, experimenta, apalpa e sente. Confiante, ela estende os braços a quem lhe oferece o colo. 
Perseverante, ela insiste nas tentativas sem se considerar derrotada pela latinha que não abre, o brinquedo que não roda, o boneco que teima em não ficar de pé. 
Nenhum obstáculo a detém: uma escadaria que parece não ter fim, uma porta fechada, um portão trancado. 
Estranhamente, à proporção que cresce, parece se esquecer desse seu lado brilhante. 
Nos primeiros anos escolares, pode se mostrar fechada às novidades e até apresentar baixo aproveitamento escolar. 
Mais tarde, já madura, exatamente como o botão totalmente aberto, os bloqueios se fazem maiores. Os percalços são considerados intransponíveis. 
Enquanto envelhece gradativamente, mais entraves se coloca: minha memória não é boa. Esqueço tudo. Estou ficando velho. 
Deixa de cogitar de aprender algo novo. Exatamente no período em que, de um modo geral, passa a ter um tanto mais de tempo livre. 
A aposentadoria chegou, os filhos se casam, as obrigações decrescem em número. Tudo o que se pensa em ter durante os anos da juventude, da madureza, agora se encontra à disposição: mais tempo. 
No entanto, esse tempo é gasto em ociosidade. E se há algo que realmente faz a pessoa envelhecer é a ociosidade, a inatividade, o não fazer nada. 
Enquanto a rosa no jardim vai perdendo o viço, murchando e despetalando, o homem se permite também fenecer. 
Mas tudo pode ser diferente. Nunca é tarde para aprender. Envelhecimento nada tem a ver com perda de memória. A não ser que a pessoa seja portadora de alguma enfermidade, que prejudique as funções mentais, as intelectuais, sempre é tempo de aprender. 
Absorver sabedoria dos livros, aprender a tocar um instrumento, exercitar-se numa nova língua. Tudo aquilo que não se teve tempo ou possibilidade de fazer antes, eis uma chance maravilhosa. 
Oscar Niemeyer, conhecido arquiteto brasileiro, quando alguém lhe perguntou certa vez sobre o que acharia da velhice, afirmou: "não vejo problema algum com minha idade. Nasci em 1907. Desde cedo dediquei-me a ver a poesia que vibra nas curvas das imagens, e não apenas nas linhas retas e tensas. 
Prossegui com afinco e dedicação, em busca de meu crescimento e hoje, com mais de 90 anos, posso afirmar que sou uma pessoa feliz. 
Ajudei as pessoas o quanto pude e aprendi a contemplar a natureza, de modo que todas essas coisas somadas, e muitas outras mais, me trazem a convicção da serenidade." 
Um conhecido locutor da televisão afirmou recentemente, aos 70 anos de idade: "tenho um projeto ainda a realizar antes de morrer. Esse projeto deverá levar 14 anos para a sua concretização. É um projeto ousado, em que estarei utilizando a minha voz, que hoje se encontra mais encorpada, mais sonora do que jamais o foi. Eu espero que o bom Pai não me leve antes. Eu desejo concluir esse projeto antes de partir." 
Isto é velhice abençoada. Isto é não murchar, embora o tempo já tenha desenhado seu mapa nas faces de quem ainda sabe sorrir para a vida, a cada amanhecer. 
Você sabia? 
Você sabia que foi aos 66 anos que Michelangelo concluiu o afresco "o juízo final", na capela Sistina, em Roma? 
E que aos 77 anos o astronauta John Glenn voltou ao espaço, para mais uma viagem? 
E você sabia que envelhecer com dignidade é ter sempre em mente um projeto de vida para o dia que ainda não nasceu?

terça-feira, 17 de abril de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 18.04.2012

REAÇÕES VIOLENTAS
Está se tornando algo comum as pessoas reagirem com violência ao mal que lhes acontece, ou àquilo que está em desacordo com os seus desejos. Exatamente como a criança indisciplinada reage, gritando, jogando coisas quando suas vontades não são atendidas, as pessoas estão se permitindo agredir, revidar. Quando o trânsito está lento há os que xingam a administração pública que não planeja vias melhores para o escoamento rápido dos veículos. 
Se a loja informa que o artigo em oferta acabou, há os que se acham no direito de agredir os funcionários, acusando-os de propaganda enganosa. 
Se o caixa se engana no troco, logo se afirma que ele é um indivíduo desonesto, desejando engordar o próprio salário. 
Se a empregada pede para sair um pouco mais cedo, dizendo que deve levar o filho ao médico, logo alguém diz que ela não deseja trabalhar, que está inventando mentiras. 
Se alguém esbarra em outra pessoa na rua, de imediato gritam alguns que o sujeito é mal educado, malcriado. Um abuso! 
Em síntese, estamos vivendo uma época de muita agressividade. E nos queixamos da violência que toma conta das ruas, sem atentarmos que nós mesmos, muitas vezes, também agimos com violência. 
Conta-se que um grande militar, desejando se espiritualizar, escolheu um sábio religioso e lhe perguntou: 
- Onde começa o inferno? 
O pensador experiente meditou e falou: 
- Por que um homem sem escrúpulos deseja saber onde começa o inferno? Cheio de armas destruidoras de vida, acerca-se de mim para perguntas tolas. O que espera que lhe diga, eu, que sou um homem de paz e justiça? 
Antes que continuasse, o militar o interrompeu, levantando a espada e exigindo, cheio de raiva, que o sábio o respeitasse. 
Sem qualquer receio, o homem velho esclareceu: 
- Aqui começa o inferno: na raiva descontrolada. 
O guerreiro compreendeu e num gesto rápido, tornou a colocar na bainha a espada, pedindo desculpas. 
O sábio então o esclareceu: 
- Homem, nesse seu gesto começa o céu. 
*** 

A raiva pode ser comparada a uma faísca portadora do poder de atear grandes incêndios. Basta uma palavra mal pensada, um gesto imprevisto para a gerar. 
Quando solta, desencadeia conflitos inúteis e destruidores. 
O homem que alimenta a raiva e se deixa dominar por ela, se torna bruto e violento. 
Os antídotos para a raiva são a humildade que leva o indivíduo a reconhecer a própria fragilidade; a paciência, que lhe permite acompanhar o desenvolvimento da questão; a tolerância que entende a dificuldade alheia; enfim, o amor que é abençoada luz em todas as circunstâncias.

segunda-feira, 16 de abril de 2012

MENSAGEM DE AMOR - 16.04.2012

PENSEI QUE SABIA TUDO COM O AMOR
Pensei que sabia todas as coisas sobre o amor, que já vivi todas as situações possíveis e imaginárias envolvendo esse misterioso sentimento. No entanto, você, sua presença e a convivência ao seu lado me ensinaram que nada sei sobre o verdadeiro significado do verbo amar. O contato físico, o toque da pele, o afago são menos que o verdadeiro amor pode fazer por quem amamos de verdade. Estou descobrindo novas formas de amar. A sua ausência me fez refletir, pensar, relembrar... enfim, descobrir que não nasci para vicer sem você. A falta que você faz é como se parte de mim não estivesse aqui. É como se eu estivesse incompleto, carente de mim mesmo. Mas entendo perfeitamente que isso é falta de você.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

FORMAS DIFERENTES DE SE BEIJAR.

Dicas para Beijar melhor

Quando beijar, abandone-se totalmente à emoção. Você só vai conseguir curtir esse momento se se entregar de fato, por isso beije sem se preocupar se o outro está gostando, se você está se saindo bem e outras encanações desse tipo.
Se não souber o que fazer na hora, fique calma (o). É só abrir a boca devagar e imitar o que o outro está fazendo.
O melhor exercício é explorar a boca do outro, bem devagar com a língua. Com certeza, ele gostará da idéia e fará o mesmo.
Se você é tímida (o), tente criar um clima bem romântico na hora do beijo, sem muitos espectadores por perto.
Só beije quando você realmente sentir vontade, beijar só por que a turma toda está gritando: beija! beija! beija! não tem graça nenhuma. Lembre-se que você não tem que provar nada pra ninguém.
Na hora de beijar, procure aspirar o odor do rosto do seu (sua) parceiro(a), isso interfere na química do beijo, deixando-o ainda mais gostoso.
Tente fazer com que seus primeiros beijos aconteçam com alguém de quem você realmente goste, se sinta atraída (o) ou alguém que você já esteja paquerando a algum tempo.
Seja o mais natural possível.
Se o seu (sua) parceiro (a) é mais experiente, deixe que ele tome a iniciativa, acompanhe-o apenas.
Se você não gostou do primeiro beijo, não desanime. Esse é um conhecimento que você só domina com a prática. Afinal, o jeito mais eficaz de aprender a beijar é? Beijando muito!

Os tipos de Beijos do Kama Sutra

1. Beijo de lado
Quando as cabeças das duas pessoas se inclinam em direções opostas e o beijo é produzido nessa postura.
Essa é uma das formas mais comuns de se beijar e a preferida dos filmes. As cabeças inclinadas permitem um melhor contato dos lábios e uma penetração profunda da língua. É um modo excelente de começar um encontro amoroso apaixonado e também um modo de estimular a paixão entre o casal.

2. Beijo inclinado
Quando um dos dois coloca a cabeça para trás e a outra pessoa, que a segura pelo queixo, a beija. A doçura e o afeto são as emoções principais que são transmitidas com esse beijo. Um beijo desse tipo é apropriado para as preliminares, quando se prefere fazer sexo com lentidão e de frente.

3. Beijo direto
Quando os lábios dos dois se unem diretamente e se chupam como se fossem uma fruta madura. É um tipo de beijo em que o importante é que além de serem chupados, os lábios sejam mordiscados e levemente acariciados com a língua. É um beijo tranqüilo e demorado, que pode expressar uma forte paixão e que excita muitas pessoas mais do que o beijo de língua.

4. Beijo pressão
Os lábios se pressionam fortemente com a boca fechada. É um beijo para iniciar a relação ou para terminá-la, não convém mantê-lo por muito tempo. Os dentes se cravam na parte interior dos lábios e pode sair sangue.

5. Beijo superior
Quando um dos dois pega o lábio superior com seus dentes e o outro devolve o “carinho” beijando-lhe o lábio inferior. Na descrição deste beijo fala-se que uma pessoa do casal deve tomar a iniciativa e o outro se limita a correspondê-la. Uma possível razão para isso é que o Kama Sutra foi escrito para homens ativos e mulheres passivas. Mas, nos casais atuais, cada um deve ser o mais criativo possível e deixar que a imaginação se expresse como ela é, e não se limite a responder a iniciativa do outro.

6. Beijo broche
Quando um dos dois se prende aos lábios de seu amante, isso é chamado de beijo broche. E se o que realiza o beijo toca seus dentes, a gengiva ou o céu da boca com a língua, esse beijo chama-se “luta de língua”.

7. Beijo palpitante
Quando um dos dois deposita sobre os lábios milhares de beijos bem pequenos percorrendo toda a boca e as comissuras (junção dos lábios).

8. Beijo contato
Quando se toca ligeiramente com a língua a boca do outro e faz apenas contato com os lábios.

9. Beijo para acender a chama
É o beijo na comissura (junção) dos lábios que costuma ser dado no meio da noite para incendiar a paixão.

10. Beijo para distrair
O beijo ideal para quando vocês estiverem assistindo a algo na televisão e a pessoa quer chamar a atenção do parceiro com seus beijos. Para começar, lembre-se de que nem todos os beijos precisam ser na boca. Segundo o Kama Sutra, outros lugares recomendados para iniciar a “batalha” são: a testa, os olhos, as bochechas, o peito, os seios, a zona abaixo da boca, a cabeça, a nuca e o pescoço junto com a clavícula.

11. Beijo nominal
Quando um dos dois se limita a tocar a boca do outro, depois de beijá-la, com os dedos.

12. Beijo com os cílios
Quando se percorre os lábios ou o rosto do outro e se acariciam os cílios com beijos.

13. Beijo com um dedo
Quando o amante percorre a boca da amada por dentro e por fora com um dedo.

14. Beijo com dois dedos
Quando o amante fecha dois dedos, molha-os ligeiramente nos lábios da amada e faz uma pressão sobre sua boca.

15. Beijo que desperta
O beijo que se dá nas têmporas, próximo da raiz do cabelo, quando o outro está dormindo, para despertá-lo com suavidade.

16. Beijo que demonstra
Costumam ser dados à noite e em lugares públicos. Um dos dois se aproxima do outro e o beija suavemente na mão ou no pescoço.

17. Beijo da lembrança
É dado quando os amantes estão descansando após a satisfação sexual e um dos dois coloca a cabeça sobre a coxa do outro e deixa-a cair, como se estivesse com sono, beijando-lhe na coxa ou nos dedos do pé.

18. Beijo transferido
Esse beijo ocorre quando o amante, na presença da amada, beija alguém que esteja próximo dele no rosto, ou mesmo alguma foto ou qualquer outra coisa, olhando para ela como se o beijo fosse para a parceira.

19. Beijo choroso
É produzido quando um dos dois sente tanta falta do outro, que na ausência do outro beija seu retrato.

20. Beijo viajante
Ainda que pareça que os beijos sempre costumam se centralizar na boca, colocar os lábios em outras partes do corpo é uma forma de excitação garantida.

21. Beijo no peito
Os beijos mais efetivos nos seios são os que se aplicam primeiro com os lábios, suavemente e com um pouco de saliva. Depois, intensifica-se a pressão e, se a parceira o deseja e gosta desse tipo de beijo, pode-se pegar os seios com os dentes e pressionar ligeiramente. Algumas pessoas preferem sentir um pouco de dor nos seios quando estão prestes a ter um orgasmo.

22. Beijo sem pressa
A chave é prestar total atenção no corpo do outro. Quanto mais controle você tiver e mais se concentrar em acariciar e beijar cada canto do corpo, mais intensa será a sensação de prazer para ambos.

Nós já falamos aqui sobre tipos de beijos maravilhosos e ainda tem mais tipos. Mas aprender a beijar às vezes não é o suficiente, o mais importante a saber é o que não fazer ao beijar.

Beije com vontade! Para não ser um dos piores tipos de beijos
  • Falta de vontade: o principal problema de longe. Você tem que beijar com vontade, com desejo. Mesmo que você não saiba beijar, beijar com vontade já vai fazer seu beijo ficar excelente. Não importa não saber o que você está fazendo, mas se for beijar, beije com vontade!
  • Deixar os lábios duros: Um dos principais erros dos iniciantes é deixar os lábios duros. Os lábios devem apertar, sem perder a parte “mole”, que os deixa macios, sensuais e apimentam qualquer beijo. Deixe o lábio firme, mas macio.
  • Língua louca/ língua hiperativa: A língua deve brincar dentro da boca, no beijo de língua, mas não ficar caçando ou ficar explorando as cáries do ficante/namorada. Portanto, ao beijar, use a língua, mas em doses moderadas.
  • Língua morta: Esse um dos  piores tipos de beijos, tão ruim quanto a língua louca: a língua morta. A língua morta é ruim pois parece que é um beijo sem vontade. Também não é para ficar uma briga de línguas, mas é para ser uma brincadeira e um beijo gostoso!
  • Beijo pouco molhado: é o beijo da avó. Seco que nem uma ameixa. Algumas pessoas são naturalmente mais secas, portanto use manteiga de cacau e lembre de lamber os lábios muito bem antes de beijar, para não fazer um beijo ruim. Isso é uma das coisas a não fazer ao beijar beijo de língua!
  • Beijo molhado demais: O beijo molhado demais parece muito legal, mas depois começa encher o saco, principalmente quando a baba sua começa a evaporar. Portanto, ao beijar, tente controlar sua saliva para não dar um dos piores tipos de beijos. Engula saliva se você tende a se empolgar demais durante o beijo.
Resumindo tudo, e contrariando tudo, não há regras sobre o que não fazer ao beijar um beijo e língua! Cada um beija de um jeito, cada casal e cada ficantes tem um estilo de beijar diferente e não há certo ou errado.
Se você faz um mar de baba e saliva e seu ficante gosta, faça! Se sua namorada curte sua língua louca enfiando até no nariz, faça!

O importante é BEIJAR...
pois é uma das coisas mais gostosas da vida.
Beijos!!!

quinta-feira, 12 de abril de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 13.04.2012

A OPORTUNIDADE QUE SE PERDEU!
A oportunidade que se perdeu" é o título de um recente artigo do jornalista Roberto Pompeu de Toledo, publicado em um periódico de grande circulação nacional. 
O ensaio versa sobre como está o mundo depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, e apresenta uma visão muito interessante que se inicia através das seguintes palavras: 
"As mortes, a dor, o medo e o luto não esgotam o assunto. Não bastasse isso, não bastasse a barbárie levada a limites impensáveis, o 11 de setembro deixou outro legado desastroso: o da oportunidade perdida." 

No dia 12 de setembro de 2001, junto com o pânico, com o choro, com os trabalhos de resgate entre os escombros das torres gêmeas raiava uma esperança. 
Aquele terrível evento poderia ser o ponto de partida para um mundo mais amigo. 
Era hora de agir em favor de um mundo menos conflitante e menos injusto. De congregar as nações em busca de soluções que tornassem o planeta terra um lugar menos perigoso de se viver."
E assim o autor continua lembrando tudo que já poderia estar diferente no mundo e ainda não está, por que muitos líderes não perceberam que uma grande oportunidade estava sendo concedida a terra: a de recomeçar. 
A transformação do mundo passa primeiro pela nossa própria reforma. 
Esta é uma lição que podemos aplicar também em nossas vidas pessoais, através de uma visão diferente sobre o sofrimento que nos alcança. 
Toda dor que surge em nossa vida é uma oportunidade grandiosa que recebemos. 
A oportunidade de amadurecer, de crescer, de reescrever nossas histórias, de recomeçar. 
Imaginemos que a vida está nos dizendo: pare um pouco; pense; reflita; recomece. 
Um acontecimento desagradável; um flagelo destruidor; uma enfermidade; a partida de alguém; são chances que a vida nos dá para aprender lições preciosas. 
Aquele de nós que tivesse o equilíbrio de perguntar: o que a vida está tentando me ensinar? Quando atingido por qualquer tipo de sofrimento, e conseguisse perceber as razões profundas destas experiências, passaria a viver sem medos, e com uma consciência espiritual fabulosa sobre as coisas deste mundo.

A revolta, a indignação e a vingança, apenas complicam o problema, enquanto a compreensão e a resignação colocam-nos no caminho de resolvê-lo por completo. 
A vida está nos dando oportunidades constantemente. 
Será extremamente sábio aquele que conseguir perceber esses convites, essas lições, e extrair delas as forças para as mudanças necessárias. 
E essas lições vêm de todos os lados. Pode ser num encontro casual na via pública; numa frase que lemos num painel de propaganda; num comercial de tv; num livro; num filme; em uma palestra edificante. 
Quando algo lhe surpreender em seus dias procure para e pensar e se perguntar: o que a vida está tentando me ensinar?

terça-feira, 10 de abril de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 11.04.2012

A BENÇÃO DO TRABALHO.
O trabalho é uma lei natural. 
Da mesma forma que a alimentação e o sono, ele é imprescindível para uma vida equilibrada e saudável. 

A necessidade de laborar constitui um precioso auxiliar do progresso. 
Ao movimentar seu corpo e sua inteligência para atingir um objetivo, o homem aprimora-se. 
No setor profissional a criatura vê-se obrigada a certas disciplinas que depois carreia para os demais setores de seu viver. 
Em sua profissão, a pessoa precisa observar horários, ser gentil e cordata, acatar determinações dos superiores. 
Essa disciplina, com o tempo, burila os aspectos mais ásperos da personalidade. 
A obediência gradualmente vai reduzindo o âmbito de atuação da vaidade e do orgulho. 
A pontualidade torna-se um saudável hábito, que evidencia respeito pelos semelhantes. 
A gentileza, a princípio forçada, lentamente torna-se um modo de ser. 
A inteligência, ao concentrar-se na solução de específicos problemas, ganha novo brilho e expande-se. 
Assim, sob os aspectos intelectual e moral, o trabalho é uma bênção. 
Mesmo quem possui fortuna, necessita trabalhar como um imperativo de equilíbrio. 
É que o desempenho de um ofício dá ao homem a possibilidade de ser um elemento útil na sociedade. 
Essa sensação de utilidade faz bem ao ser humano, permitindo-lhe vislumbrar uma finalidade maior em sua existência. 
Contudo, muitas pessoas consideram o trabalho como se fosse um castigo. 
O final de semana é aguardado como uma libertação, ao passo que a segunda-feira é amplamente lastimada. 
Grande contingente de homens deseja aposentar-se o mais cedo possível. 
Eles não se preocupam se com isso se tornarão pesados para a sociedade, por inúmeras décadas. 

No anseio de livrar-se do dever de trabalhar, contam em anos, meses e dias o tempo que falta para sua aposentadoria. 
Tal modo de pensar e sentir evidencia uma percepção equivocada do viver. 
A vida não possui como objetivo o descanso. 
Descansar de forma periódica e temporária é necessário para a restauração das forças. 
Mas a finalidade da vida é o aperfeiçoamento contínuo, proporcionado pela utilização dos próprios talentos na construção de um mundo melhor. 
Ao tornar-se inativo, todo organismo vivo tende para a decrepitude. O movimento e a atividade garantem a manutenção do vigor. 
O problema é que muitos se equivocam na escolha de suas atividades. 
A ganância frequentemente faz com que a profissão seja escolhida mais pela boa remuneração que proporciona do que pela vocação. 

Ocorre que desempenhar voluntariamente uma atividade de que não se gosta, podendo-se optar por outra, constitui um enorme peso colocado sob os próprios ombros. 
O trabalho não se destina somente a garantir a sobrevivência. Ele também deve proporcionar satisfação íntima. 
É o que se dá quando alguém sabe que faz bem algo de que gosta e que possui utilidade para os outros. 
Mas mesmo quando não se ama a profissão exercida, é possível desempenhá-la com competência e boa vontade. 
Basta que o profissional sinta que está fazendo sua parte na construção de um mundo melhor. 
Que ele vislumbre a importância do que faz para a harmonia do meio social em que se insere. 
Assim, ame o seu trabalho. 
Considere-o uma bênção que o auxilia a ser melhor a cada dia.

Autor:
Redação do Momento Espírita.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 10.04.2012

A BAGAGEM.
Existe um personagem de desenhos animados infantis que tem um certo toque de mistério e magia. 
Seu nome é Gato Félix. A todo lugar que vá, ele leva a sua maleta. É uma maleta especial, pequena. E tudo o que ele deseja, tira da dita maleta. Se for hora do lanche, ele encontra frutas, sanduíches e sucos. Se necessitar fazer um conserto, as ferramentas lá estão. Sempre as certas e precisas.

Se chover de repente, basta abrir a maleta para encontrar capa, guarda-chuva, botas. E assim em qualquer situação. 
Cada um de nós também possui uma pequena mala de mão, em nossa vida, mais ou menos parecida com a do personagem infantil. 
Quando a vida começa, temos em mãos a pequena mala. À medida que os anos passam, a bagagem, dentro dela, vai aumentando. 
É que vamos colocando tudo o que recolhemos pelo caminho. Algumas coisas muito importantes. Outras, nem tanto. Muitas, dispensáveis. 
Chega um momento em que a bagagem começa a ficar insuportável de ser carregada. Pesa demais. 
Nesse momento, o melhor mesmo é aliviar o peso, esvaziar a mala. 
Você examina o conteúdo e vai pondo para fora. 
Amor, amizade. Curioso, não pesam nada. 
Depois você tira a raiva. Como ela pesa! Na seqüência, você tira a incompreensão, o medo, o pessimismo. 
Nesse momento, você encontra o desânimo. Ele é tão grande que, ao tentar tirá-lo, ele é que quase o puxa para dentro da mala. 
Por fim, você encontra um sorriso. Bem lá no fundo, quase sufocado. 
Pula para fora outro sorriso. E mais outro. Aí você encontra a felicidade. 
Mas ainda tem mais coisas dentro da mala. Você remexe e encontra a tristeza. É bom jogá-la fora. 
Depois, você procura a paciência dentro da mala. Vai precisar bastante dela. 
E também procura a força, a esperança, a coragem, o entusiasmo, o equilíbrio, a responsabilidade, a tolerância e o bom e velho humor. 
A preocupação que você encontrar, deixe de lado. Depois você pensa no que fazer com ela. Bem, agora que você tirou tudo da sua mala, deve arrumar toda a bagagem. Pense bem no que vai colocar lá dentro de novo. Isso é com você. 

E depois de toda a bagagem pronta, o caminho recomeçado, lembre de repetir a arrumação vez ou outra. O caminho é longo até chegar ao final da jornada, e você terá que carregar a mala o tempo todo. E quando chegar do outro lado, é bom que em sua bagagem tenha o máximo de coisas positivas, como boas obras, amizades, carinho, amor. Porque isso tudo não pesa na sua bagagem, enquanto na terra. Mas quando for colocada na balança da justiça, para além da existência física, pesará e muito, positivamente. A vida é uma grande viagem. Durante um tempo excursiona-se pelas paisagens terrenas. É um período para estudar, trabalhar, progredir. Um dia, retorna-se para a estação espiritual. É o momento de contar as conquistas e as perdas. Os erros e os acertos. Que a nossa bagagem, nesse dia, possa estar repleta de virtudes, o bem praticado, afetos conquistados para nossa própria e grande felicidade.

domingo, 8 de abril de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 09.04.2012

DEUS ACREDITA EM VOCÊ
Deus acredita tanto em você que Ele depositou uma porção do Seu divino potencial em você. Mesmo que ninguém mais no mundo acreditasse em você, Deus acredita, e com essa confiança, você pode fazer qualquer coisa que Ele quer que você faça.
Eu o incentivo a descobrir qual é o seu potencial e começar a desenvolvê-lo. Não espere até que todas as condições sejam perfeitas - faça algo agora. Comece cultivando as sementes divinas da habilidade de Deus que se encontram dentro de você. Se você não sabe com certeza quais são elas, descubra o que você mais gosta de fazer, coisas que você tem talentos naturais e dons para realizar. Comece a treinar-se nessas áreas. Se você gosta de escrever músicas, histórias, ou poesia, desenvolva o seu dom. Organize sua vida de forma que você terá horários regulares para escrever e estudar as regras de gramática. Se você sabe que pode cantar, então pratique, aprenda música, e desenvolva sua voz através de treinamento vocal. Se você gosta de desenhar ou pintar e tem talento nesta área, separe um tempo para praticar e aprender sobre cores, estilos artísticos e técnicas. Se você sabe que tem um talento para negócios, uma habilidade para ganhar dinheiro, então estude, vá para a escola, e aprenda com aqueles que já tem sucesso nisso. Seja qual for o seu dom ou chamado, confie-o ao Senhor, ore por suas bênçãos, e comece a desenvolvê-los. Lembre-se, seu tempo está nas mãos de Deus, e Ele torna todas as coisas belas em seu devido tempo. Faça uma decisão agora mesmo de que você não ficará satisfeito com nada menos do que você pode ser!
Autoria: Joyce Meyer Magazine

MENSAGEM DE AMOR - 08.04.2012

MENSAGEM APAIXONADA!!!
Quando estamos sozinhos, procurando inutilmente uma paixão ou alguém que pelo menos se encaixe naquilo que tanto esperamos, 
Perdemos tempo imaginando que ainda somos capazes de dizer ao coração quando é a hora certa de se apaixonar, ou por quem isso deve acontecer. Hoje sei que nada disso pode ser previsto, estamos sempre vulneráveis a sentimentos que surgem de repente e de que uma hora para a outra conseguem conquistar nossos corações e desfazer qualquer plano feito anteriormente você chegou na minha vida, assim como uma brisa suave que foi ocupando espaço e que conquistou um lugar muito especial seu jeitinho carinhoso, seu sorriso que encanta e o brilho especial no seu olhar foram mais que suficientes para que eu me entregasse de corpo e alma a esse sentimento. E quando me dei conta já estava apaixonada... Te Amo! e a cada dia que passa percebo que você chegou na hora certa. Um beijo

sábado, 7 de abril de 2012

MENSAGEM DE PÁSCOA - 08.04.2012

DIA DE RENASCER.


Quando eu era criança não entendia muito bem a Páscoa. Só adorava procurar os ovinhos de chocolate que o coelhinho escondia. Mas, o que tem a ver coelho com ovos, Seus símbolos, com a ressurreição de Jesus ou a fuga dos hebreus do Egito comandada por Moisés? Agora sei qual a relação de tudo isto. 
Os ovos são o símbolo do nascimento. Ali dentro, Uma vida por vir ao mundo. É o eterno milagre da vida que renasce todos os dias. O coelho é o animal que se reproduz com uma velocidade estonteante, É uma ode à família, uma declaração de amor que a natureza faz todos dias. Renascer é nascer, somos nós mesmos que renascemos nos nossos filhos, é a vida que se pereniza na prole. A fuga dos hebreus é o fim da escravidão de uma povo. A escravidão equivale à morte, escravizar equivale a tirar a vontade e a alma de alguém, equivale a tirar sua vida. Se libertar da escravidão é viver de novo, é renascer, é estar sempre começando tudo de novo. Por fim, Jesus é a ressurreição. Quer prova mais clara do que digo? Este eterno milagre que nos encanta é o milagre da vida que a Páscoa nos relembra. A Páscoa é a ressurreição das nossas almas. Este é o dia de renascer, começar tudo de novo. De nos libertamos do mal que corrompeu nossas almas e nos recobrirmos com o véu da pureza da alma que tivemos um dia. Abandonar tudo o que é velho e antigo e olhar pra frente com coragem. Nos dedicarmos à vida como quem sorve o sumo de um fruto saboroso. 
 Hoje é dia de renascer. 
 Feliz Páscoa para todos.

quinta-feira, 5 de abril de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 06.04.2012

ESPERANÇA
Haviam milhões de estrelas no céu. Estrelas de todas as cores: brancas, verdes, prateadas, douradas, vermelhas e azuis.

Um dia elas procuraram Deus e lhe disseram:
- Senhor, gostaríamos de viver na Terra
entre os homens.
- Assim será feito, respondeu o Senhor.
Conservarei todas vocês pequeninas como são vistas 
e podem descer para a Terra.
Naquela noite, houve uma linda chuva de estrelas.
Algumas se aninharam nas torres das igrejas,
outras foram brincar de correr com os vagalumes,
outras misturaram-se aos brinquedos das crianças
e a Terra ficou maravilhosamente iluminada.
Porém passado um tempo, as estrelas resolveram 
abandonar os homens e voltar para o céu, 
deixando a Terra escura e triste. 
- Por que voltaram? 
Perguntou Deus à medida que elas chegavam ao céu.
- Senhor não nos foi possível permanecer na Terra.
Lá existe muita miséria e violência,
muita maldade, muita injustiça... 
E o Senhor lhes disse: 
Claro! O lugar de vocês é aqui no céu.
A Terra é o lugar transitório, daquilo que passa, daquele que cai, 
daquele que erra, daquele que morre...  nada é perfeito.
O céu é o lugar da perfeição, do imutável,
do eterno... onde nada perece.
Depois que chegaram todas as estrelas e conferindo seu número, 
Deus falou de novo: 
- Mas está faltando uma estrela.
Perdeu-se no caminho?
Um anjo que estava por perto retrucou:
- Não Senhor, uma estrela resolveu ficar entre os homens.
Ela descobriu que o seu lugar é exatamente
onde existe a imperfeição, onde há limite,
onde as coisas não vão bem, onde há luta e dor.
- Mas que estrela é essa? 
- Voltou Deus a perguntar.
- É a Esperança Senhor. A estrela verde.
A única estrela dessa cor.
E quando olharam para a Terra, a estrela não estava só.
A Terra estava novamente iluminada,
porque havia uma estrela verde no coração de cada pessoa. 
Porque o único sentimento que o homem tem
e Deus não tem é a Esperança.
Deus já conhece o futuro e a Esperança é própria da pessoa humana, 
própria daquele que erra,
daquele que não é perfeito, daquele que não sabe como será o futuro.
Instale esta Esperança em seu coração.
Tenha a certeza que ela iluminará o seu caminho:
seja sempre positivo e acredite que você pode fazer diferença 
e ser diferente neste mundo.
Se permita fixar um objetivo e coloque sua Estrela da Esperança 
como guia nesta sua caminhada.
Você chegará lá!!!

Autor Desconhecido.

terça-feira, 3 de abril de 2012

MENSAGEM DE REFLEXÃO - 03.04.2012

PARÁBOLA DA VACA!!!

Era uma vez, um sábio chinês e seu discípulo. Em suas andanças, avistaram um casebre de extrema pobreza onde vivia um homem, uma mulher, 3 filhos pequenos e uma vaquinha magra e cansada. 

Com fome e sede o sábio e o discípulo pediram abrigo e foram recebidos. O sábio perguntou como conseguiam sobreviver na pobreza e longe de tudo. 
- O senhor vê aquela vaca ? - disse o homem. Dela tiramos todo o sustento. Ela nos dá leite que bebemos e transformamos em queijo e coalhada. Quando sobra, vamos à cidade e trocamos por outros alimentos. É assim que vivemos. 
O sábio agradeceu e partiu com o discípulo. Nem bem fizeram a primeira curva, disse ao discípulo : 
- Volte lá, pegue a vaquinha, leve-a ao precipício ali em frente e atire-a lá em baixo. 
o discípulo não acreditou. 
- Não posso fazer isso, mestre ! Como pode ser tão ingrato ? A vaquinha é tudo o que eles têm. Se a vaca morrer, eles morrem ! 
O sábio, como convém aos sábios chineses, apenas respirou fundo e repetiu a ordem : 
- Vá lá e empurre a vaquinha. 
Indignado porém resignado, o discípulo assim fez. A vaca, previsivelmente, estatelou-se lá embaixo. 
Alguns anos se passaram e o discípulo sempre com remorso. Num certo dia, moído pela culpa, abandonou o sábio e decidiu voltar àquele lugar. Queria ajudar a família, pedir desculpas. ao fazer a curva da estrada, não acreditou no que seus olhos viram. 
No lugar do casebre desmazelado havia um sítio maravilhoso, com árvores, piscina, carro importando, antena parabólica. Perto da churrasqueira, adolescentes, lindos, robustos comemorando com os pais a conquista do primeiro milhão. O coração do discípulo gelou. Decerto, vencidos pela fome, foram obrigados a vender o terreno e ir embora. 
Devem estar mendigando na rua, pensou o discípulo.
Aproximou-se do caseiro e perguntou se ele sabia o paradeiro da família que havia morado lá
- Claro que sei. Você está olhando para ela.
Incrédulo, o discípulo afastou o portão, deu alguns passos e reconheceu o mesmo homem de antes, só que mais forte, altivo, a mulher mais feliz e as crianças, jovens saudáveis. Espantado, dirigiu-se ao homem e disse : 
- Mas o que aconteceu ? Estive aqui com meu mestre alguns anos atrás e era um lugar miserável, não havia nada. O que o senhor fez para melhorar de vida em tão pouco tempo ?
O homem olhou para o discípulo, sorriu e respondeu :
- Nós tínhamos uma vaquinha, de onde tirávamos o nosso sustento. Era tudo o que possuíamos, mas um dia ela caiu no precipício e morreu. Para sobreviver, tivemos que fazer outras coisas, desenvolver habilidades que nem sabíamos que tínhamos. E foi assim, buscando novas soluções, que hoje estamos muito melhor que antes. 
Moral da história : às vezes é preciso perder para ganhar mais adiante. É com a adversidade que exercitamos nossa criatividade e criamos soluções para os problemas da vida. Muitas vezes é preciso sair da acomodação, criar novas idéias e trabalhar com amor e determinação.


Autor: Luís Colombini